Autores

Bartolomeu Campos de Queirós viveu sua infância em Papagaio (MG), antes de se instalar em Belo Horizonte, onde reside e trabalha. Seu interesse pela literatura e pelo ensino da arte o fez viajar muito pelo Brasil. Visita as cidades, apreciando azulejos e casas, pacientemente – um andarilho atento a cores, cheiros, sabores e sentidos que rodeiam as pessoas do lugar. Em 1974 publicou seu primeiro livro, O peixe e o pássaro, e desde então vem firmando seu estilo de escrita como uma prosa poética da mais alta qualidade. Com formação nas áreas de educação e arte, cursou o Instituto Pedagógico de Paris. Desde os anos 70, tem destacada atuação como educador, em vários níveis, contribuindo com importantes projetos para a Secretaria de Estado da Educação e para o Ministério da Educação. Participa do Projeto ProLer, da Biblioteca Nacional, proferindo conferências e seminários sobre educação, leitura e literatura. Possui mais de 40 livros publicados no Brasil e vários deles traduzidos e editados em outros países.

É detentor dos mais importantes prêmios literários nacionais, como: Prêmio Cidade de Belo Horizonte; Prêmio Jabuti; Selo de Ouro, da Fundação Nacional do Livro Infanto-Juvenil; Diploma de Honra da IBBY, de Londres; Premio Rosa Blanca (Cuba); Quatrième Octagonal (França); Prêmio Nestlé de Literatura; Prêmio Academia Brasileira de Letras, IV Premio Iberoamericano SM de Literatura Infantil e Juvenil. Com o livro Indez, foi o vencedor do Concurso Internacional de Literatura Infanto-Juvenil (Brasil, Canadá, Suécia, Dinamarca e Noruega). Vários de seus textos foram adaptados para o teatro, entre eles, Ciganos, encenado pelo Grupo Ponto de Partida. Sua obra tem constituído tema de teses acadêmicas (áreas de literatura e psicologia) em várias universidades brasileiras.

Pela RHJ: Ah! Mar; Correspondência; Mais com mais dá menos; Minerações; O Piolho; Por parte de pai; Raul Trocando gato por lebre ou menino por vaca, sendo este último, como tradutor.

 

Branca Maria de Paula nasceu numa pequena cidade do interior de Minas, chamada Aimorés. Lugarzinho quente! Mais tarde veio estudar em Belo Horizonte, na Faculdade de Filosofia da UFMG. Acabou virando escritora e fotógrafa.

Quando pequena gostava de ler, balançar na rede, andar descalça e chupar manga. Já fez uma porção de coisas na vida: foi professora, repórter-fotográfico, etc. Mas, ultimamente, só faz escrever. Publicou 16 livros e alguns levam o selo Altamente Recomendável, da FNLIJ. Um Fio de Camelo ganhou o Prêmio Henriqueta Lisboa, e Pacífico, O Gato virou vídeo no Programa Livros Animados, da TV Futura.

Adora conversar com as netas Bianca e Gabriela. Mora em Belo Horizonte, onde trabalha em projetos para encantar crianças grandes e pequenas. Publicou também Tamanho de formiga, pela RHJ.

 

Carlos Augusto Segato é natural de Itapeva, ao sul de São Paulo, e trabalha há 29 anos na área de tecnologia do Banco do Brasil. Nunca abandonou, porém, seu gosto pela literatura e pela criação literária. Formado em Letras pela Universidade de Brasília, publica livros para o público infanto-juvenil desde 1987. Reside em Brasília a partir de 1998, onde publicou O incrível rapto de Rosabela, pela RHJ. Para Segato, “um livro nunca surge do nada: vem inspirado por obras que o antecederam. Assim como irá inspirar outros autores. Ou seja, não é um fenômeno isolado; é um mundo perfeitamente conectado. Um livro sempre aponta para outros livros”. Seus escritos reúne características interessantes, como o retrato da sociedade atual, da nossa juventude, seus sonhos, fantasias, lutas e paixões.

 

Carlos César Ferreira

Tenho dois filhos. Nasci na cidade de Panamá, Goiás, onde passei a infância. Durante a adolescência, morei no interior de São Paulo e Triângulo Mineiro. Em 1977, fixei residência em Belo Horizonte, onde terminei o segundo grau. A seguir, fiz Jornalismo e, alguns anos depois, Letras. 
Já exerci profissões diversas, entre estas fui professor no primeiro e segundo graus. Na seara literária obtive menção honrosa do Concurso Nacional de Literatura Prêmio João de Barro, da prefeitura de Belo Horizonte, com um texto infantojuvenil, e publiquei o livro de contos Barra da Saia.

Espero que jovens leitores gostem dos suspenses da narrativa e amizade calorosa dos personagens de A garota da Oceania, publicado pela RHJ.

 

Carlos Jorge Nunes é mineiro de Belo Horizonte, onde nasceu e reside.

Formado em desenho de propaganda pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) é também jornalista/diagramador e cartunista. Escreve e desenha para crianças desde 1980, tendo seus textos publicados em editoras de Belo Horizonte, Juiz de Fora, Rio de Janeiro e Paraná. Ilustrou mais de 50 livros de outros autores e catálogos de humor do Brasil, Alemanha, Iran e Tchecoslováquia. Atualmente publica seus trabalhos em jornais e cartilhas sindicais e em livros infantis e didáticos. Pela RHJ tem publicado Gira-girou e Me escuta, ta mãe?.

 


Página 4 de 25